quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

O significado da prática devocional

Por James Andrew

Certamente a devocional está relacionada à devoção. É um tempo reservado, dedicado ao aprendizado e a conversa com o Senhor. É um tempo sagrado.

Quando Jesus nos chama, o chamado é para deixarmos tudo e o seguirmos. Pede-nos uma devoção completa. Vemos isso tanto no modo como Jesus tratou seus discípulos (ver Lucas 14:25-27) como também na história do povo de Israel com o Senhor. Deus quer de nós uma devoção completa a Ele. Que não sejamos divididos entre dois senhores (ver Mateus 6:24), entre dois deuses (ver Êxodo 20:3). 

O momento devocional nos ajuda em tudo isso. Lembramo-nos durante a devocional quem realmente somos, lembramo-nos de quem é Deus (seus atributos e divindade), de nossa Salvação, e do poder do Espírito. É também um momento de nos trazer a memória o caminho da vida cristã, bem como o seu propósito. A devocional é também um momento de intimidade com Deus, no qual adoramos, agradecemos e pedimos socorro ao nosso Senhor. A devocional é um tempo consagrado ao Eterno.

Devemos lembrar que nossa vida inteira deve ser vivida em consagração, uma vida separada, dedicada, a Cristo: "Tudo o que fizerem, seja em palavra ou em ação, façam-no em nome do Senhor Jesus, dando por meio dele graças a Deus Pai." Colossenses 3:17. Não somente faremos em nome de Jesus, mas para "por meio dEle [dar] graças a Deus Pai. Os momentos de devoção são importantes para lembrarmos dessa verdade, para consagrar e entregar nossa vida integralmente a Cristo, cada pedaço dela: a escola, o trabalho, a família, os amigos, a igreja, as confusões, as tristezas e inclusive as decepções/fracassos.

Texto bíblico
“Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor.
Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças.” Deuteronômio 6:4-5

“Um dos mestres da lei aproximou-se e os ouviu discutindo. Notando que Jesus lhes dera uma boa resposta, perguntou-lhe: "De todos os mandamentos, qual é o mais importante? "
Respondeu Jesus: "O mais importante é este: ‘Ouve, ó Israel, o Senhor, o nosso Deus, o Senhor é o único Senhor. Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e de todas as suas forças’.” Marcos 12:28-30

“Louvem o SENHOR, todas as suas criaturas, em todo lugar onde ele reina! Que todo o meu ser te louve, ó SENHOR!” Salmo 103:22


Texto utilizado no momento A Sós com Deus na UPA 24 horas (23/02/2013). 

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Missionários brasileiros presos no Senegal


Veja a carta do pastor presbiteriano José Dilson, preso no Senegal junto com a missionária Zeneida Moreira desde o dia  06 de novembro de 2012.



Queridos e mui preciosos irmãos,

Como sabem, hoje, dia 6, completamos 90 dias de prisão por causa da Palavra da Verdade, do Caminho que seguimos e daquele em quem cremos.

Temos certeza, porém, que a nossa aflição está muito distante das aflições que Jesus sofreu por nós. Bendizemos ao Senhor porque estas singelas aflições têm servido para a salvação de vários prisioneiros. Temos testificado a muitos do Seu Senhorio sobre tudo e todos. Temos tido oportunidade de distribuir centenas de Bíblias, folhetos e Novos Testamentos.
Por 31 anos tenho compartilhado as boas novas, não só no Brasil, mas, há 22 anos, aqui na África. Agora este Procurador e Juiz me deram um novo público. Fui preso com pessoas às quais jamais teria acesso. Nunca teria sido possível compartilhar com elas em outra situação. E, com certeza, eu jamais estaria aqui por minha livre e espontânea vontade. Oremos para que a Palavra pregada encontre guarida nestes corações sedentos — que nenhum "pássaro", "espinho” ou "pedra" atrapalhem o crescimento dessas sementes.
Nos dias mais angustiantes, o Senhor nos dá forças para continuar encorajando outros (falo também pela irmã Zeneide). Continuamos a orar, alimentar e vestir vários que passam por aflições ainda maiores, com o agravante de que não sabem a quem recorrer. O nosso consolo é que temos um Cristo “algemado” conosco. Ele nos mostra isso de muitas maneiras, por exemplo, pelo amor dos irmãos que vêm de tão longe para nos visitar às segundas e sextas-feiras, mesmo que seja apenas por 5 a 10 minutinhos.
Sinto Jesus me falando que está comigo por meio de cada frase enviada, e-mail, palavra de encorajamento no Facebook, cada oração, cada prato de comida ou guloseima enviados, cada contribuição, manifestação de quererem nos ajudar nas despesas gerais que estamos tendo, e mesmo na construção da nova cela para ajudar outros presos e aliviar  seu sofrimento de não poder dormir — somos 45 pessoas em minha cela e só tenho 30 cm de espaço para dormir – imaginem a cela do mesmo tamanho com 200 presos! É quase impossível imaginar o sofrimento destes homens.
Esse amor tem impactado toda a prisão e até o tribunal. O juiz  está impressionado por recebermos tantas visitas.
Tenho pedido ao Senhor que essas algemas sirvam de consolação para cada um que tem participado e orado por esta causa – que isto os ajude, irmãos, a valorizarem mais Jesus e sua presença em suas vidas e que vocês possam usufruir muito mais do seu amor, presença e paz, que não depende das circunstâncias. Façam conhecidos a cada um que se aproxime de vocês esse grande amor de Jesus, e sintam-se privilegiados por sofrerem por este Nome.
Posso afirmar que minhas algemas têm sido conhecidas desde o presidente da República até o varredor de rua. Os jornais publicaram que Zeneide e eu somos uma «dupla diabólica». Por isso estar estampado nas páginas de dois grandes jornais do país, e nas rádios locais, passamos a ser odiados por toda a nação. Mas, aqueles que têm tido contato conosco, sempre nos dizem: «Vocês são pessoas de Deus». Outros dizem: «Esta prisão nunca mais será a mesma depois da passagem de vocês por aqui».
Dentro de minha cela, um após outro foram me conhecendo, ao compartilhar com eles comida, frutas, medicamentos. Eles ficam supreendidos: «Mas por que você faz isso? Por que você lembrou de mim?»
No Natal, como as esposas e os filhos nada podem esperar de seus pais presos, minha esposa comprou uns presentinhos para esses homens darem aos seus filhinhos. Não posso expressar a alegria que sentiram ao recebê-los.
Houve dias em que compartilhei da minha comida com 12 outros presos. E sabe do melhor? Não perdi nenhum quilo. Dois prisioneiros italianos, que foram libertos, ficaram tão agradecidos pelas orações e ajuda, que me enviaram queijo, salame e outras guloseimas. Daqui a pouco 43 presos vão experimentar um pouco desta bênção...
Estou compartilhando estes detalhes para encorajá-lo. Não desanime com coisa alguma. Não importa o tamanho da luta que você esteja enfrentando, saiba que Jesus está com você, passando junto pela dificuldade, até a hora da libertação. Busque-o, ame-o, gaste tempo com Ele, seja íntimo dele, e o sofrimento não será nada. Ele será sua âncora segura, sua salvação, aquele que atua e trabalha pelos seus. Seu santo nome será glorificado!
Quando estava me interrogando, o juiz finalmente disse: “Vocês não são uma associação de malfeitores; vocês estão ajudando crianças em situação de risco.” Quando ele ouviu as crianças, ficou ainda mais impressionado com a mudança de vida de cada uma delas.
Esta prisão não pode deter, muito menos meu Cristo e o seu Evangelho. Ao contrário, ela desperta em mim mais amor e paixão por esta obra e pelo meu Mestre.
Tenho meu coração agradecido a todos vocês que de uma forma ou de outra estão aprisionados conosco. Recebam nosso abraço bem apertado. Que o nosso bom e maravilhoso Senhor os console.
Pelas marcas de Cristo, vosso prisioneiro,
Rev. José Dilson ou "Zé"
Para saber mais acesse o site da Ultimato - Missionários brasileiros estão presos há 3 meses no Senegal


segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Sobre o sentido da vida

Compromisso UPA 2013 - azul=serviço, amarelo=imaginação, vermelho=amor, preto=testemunho

Quando o psiquiatra judeu Viktor Frankl encontrou-se num campo de concentração alemão, roubado dos seus direitos básicos, confrontado diariamente pelos horrores da miséria humana, resistiu pela força da imaginação. Foi imaginando-se escrevendo livros e ministrando palestras que sobreviveu. Sua mente era levada diariamente às páginas de papel em branco sobre a qual fazia anotações a respeito do que vivia, e às mesmas páginas imaginárias recorria para recuperar suas forças nos dias mais difíceis.

O  que Deus espera de mim? O que Deus espera de nós? Segundo Viktor Frankl estas são as perguntas corretas que deveríamos fazer diante da vida. “Quando a circunstância é boa,” diz, “devemos desfrutá-la; quando não é favorável devemos transformá-la e quando não pode ser transformada, devemos transformar a nós mesmos.” Em sua percepção o que havia em comum aos sobreviventes era justamente a capacidade de manter a humanidade mesmo em meio aos sofrimentos mais grotescos. Para isso havia somente um caminho, inverter a pergunta. Ao invés de questionar, o que esperavam de Deus, diante da dor. Perguntavam o que Deus esperava deles diante da dor, assim conseguiam extrair sentido do sofrimento.

Esse exemplo extremo nos ajuda a caminhar hoje. Ainda que não estejamos sujeitos às mais cruéis das circunstancias, dia a dia, provamos amarguras, insatisfações e frustrações. É bem possível que movidos por um egoísmo discreto permaneçamos na velha pergunta “o que eu espero de Deus?”. Quando oramos, muitas vezes não pedimos a  direção de Deus, pedimos apenas que ele nos abençoe no que estamos a fazer.

Vamos agora tentar perceber o mundo sob a ótica Frankliana. Tentemos responder a questão primária: E aí? O que Deus espera de nós? Será que invertendo a pergunta viveremos de maneira mais humana mesmo no século 21? Será que nossas ações farão mais sentido se estiverem harmonizadas com os mandamentos do criador? Será que as circunstancias se integrarão numa narrativa que tem um fim a ser cumprido?

Ps: reflexão da primeira reunião da UPA de 2013


Por Liz Valente