terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Devocional - o exemplo de Daniel


Segue a devocional que a galera da UPA fez sábado passado, na última 24hs.

Texto base: Daniel 6
Faça uma leitura cuidadosa e calma do texto bíblico recomendado acima.

Para ler e pensar
A vida de Daniel nos lembra que não devemos viver de qualquer jeito, pois a redenção em Jesus não se resume em nos livrar da condenação do inferno, mas antes numa real oportunidade de desfrutar a liberdade, ser livre para fazer o bem e romper definitivamente com o mal.

O apóstolo Paulo afirma categoricamente que existe um modo correto de viver. E o caminho é abandonar os padrões deste mundo em desacordo com Deus, deixar que a nossa mente seja renovado pelo poder do Espírito Santo e transforme nossas vidas, harmonizando-se com a vontade de Deus.

Essa seriedade com a qual encaramos a vida deveria refletir diretamente na sociedade que estamos inseridos. Porém para isso, não podemos nos esquecer que o nosso viver deve contemplar a proclamação da glória de Deus, ora com palavras, ora com ações.

Imagem

“Daniel, servo do Deus vivo, será que o seu Deus, a quem você serve continuamente, pôde livrá-lo dos leões?" Daniel respondeu: "Ó rei, vive para sempre!
 (Daniel 6:20-21)
Ouvir e orar
O que a palavra de Deus falou ao seu coração?

Perguntas para discutir em grupo
Procure lembrar-se da história de Daniel. Quem ele era e o que estava fazendo num país estrangeiro. Se necessário leia o capítulo 1 de Daniel para recordar os acontecimentos.

Quais as dificuldades que Daniel enfrentava numa cultura politeísta (vários deuses), diferente de Israel (monoteísta – um único Deus)?

Reflita sobre a integridade de Daniel. Como ela interferiu nas suas atividades diárias e qual impacto ela causava no seu ciclo de relacionamentos?

O texto conta que a fé de Daniel estava muito ligada com o seu estilo de vida, serviço e as demais atividades. Pense um pouco sobre o seu modo de viver, e compartilhe o quanto a sua fé em Jesus permeia as suas atividades, idéias e decisões.

Daniel acreditava que sua vida tinha um sentido/propósito de glorificar a Deus. Você encara a sua vida da mesma forma?

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Viçosa viçosa



Viçosa com “v” maiúsculo é substantivo e viçosa com “v” minúsculo é adjetivo. Muitos nativos de Viçosa e muitos forasteiros que moram em Viçosa gostariam de colocar o adjetivo ao lado do substantivo. Então, para alegria de todos, teríamos uma Viçosa viçosa! Por que não?

Além da UFV, da Univiçosa e da ESUV, que formam profissionais capazes (é o que se espera) que se espalham por esse país afora e também, acidentalmente, pelo exterior, e da escola de missões do CEM (Centro Evangélico de Missões), que forma missionários capazes (é o que se espera) que se espalham por vários países da África, Ásia, Europa e América e também, acidentalmente, pela terra natal, algumas empresas bem sucedidas (é o que se espera) estão alcançando todo ou quase todo território nacional (é o caso do CPT, da Pif Paf, da Microvet, da Haskell, da Clorofitum, da Agroplan, das escolas de ensino médio, do Cerealista Pereira, da Editora UFV, da Editora Ultimato, do premiado doce de leite Viçosa e de outras). Porém, isso não é tudo.

Na qualidade de forasteiro que vive em Viçosa há mais de 40 anos e que na cidade criou a família, angariou amigos e realiza a parte que lhe toca na história de Viçosa, ainda tenho, apesar da idade, muitos sonhos para esta cidade. Quero contribuir de algum modo para que Viçosa seja viçosa, não apenas na educação, no mundo empresarial, na assistência médica, na área social e em outras, mas também no que diz respeito à questão religiosa, melhor dizendo, no relacionamento dos seus cidadãos com a pessoa de Deus.

Os nossos profissionais de saúde, engenheiros, arquitetos, advogados, professores, pedreiros e serventes de pedreiros — cada grupo ou cada indivíduo deve ter sonhos comunitários (é o que se espera). Por que um pastor não os teria também?

Não faço segredo. Todos os dias, a sós ou com a esposa, peço insistentemente a Deus que derrame a sua graça especial, profusa e misericordiosamente, sobre esta cidade e região. Chama-se de especial o favor imerecido da parte de Deus que produz séria mudança no ser humano. Peço a graça que cura a incredulidade, o secularismo, a apatia religiosa, o formalismo religioso, a hipocrisia religiosa, a vaidade, a ganância (ou o consumismo), a corrupção. A graça que penetra na alma de modo estranho, muitas vezes sem avisar e sem pedir licença. A graça também chamada de irresistível, pois aquele que ela alcança não sabe dizer não e começa, “não por força, nem por violência”, a buscar a Deus na leitura da Bíblia e na oração. Naturalmente não estou sozinho nesses sonhos e orações.

A minha esperança é a mesma do profeta Isaías: “Chegará o dia em que o povo de Israel [no meu caso, o povo de Viçosa], como uma árvore viçosa, criará raízes, brotará, e florescerá, e dará frutos que encherão o mundo inteiro” (Isaías 27:6)

Por Elben M. Lenz César
Fonte: Tribuna Livre (Jornal de Viçosa/MG)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Recomendações pastorais


Vejo com interesse a afirmação de Hebreus 1:2-3: “Hoje, Deus nos fala em Jesus, o resplendor da sua glória e a expressão exata do seu ser”.

Esta declaração me incentiva a recomendar aos irmãos o seguinte:

  1. Invista força, amor e criatividade em sua devocional pessoal. Ela o ajudará a cultivar sua amizade com Jesus. Nela você encontra o foco e o sentido para a sua vida. É no momento reservado para ela que você discerne a vontade de Deus.
  2. Não deixe de congregar. Nós, juntos, somos parte do Corpo de Cristo aqui na terra. Chamo atenção especial para a Escola Dominical. Participar dela é buscar conhecer todas as coisas que Jesus nos ordenou. É na ED, principalmente, que temos a oportunidade comunitária de ouvir e aprender sobre o ensino completo de Jesus.
  3. Não busque revelação além da Bíblia. Qualquer palavra de direção e orientação fora da Palavra é uma adição e, por isso, cheia de perigos. Procurar algo a mais por curiosidade ou interesse particular pode se tornar uma prática pagã.
  4. Satisfaça-se com o amor de Deus. Vislumbre, contemple, experimente o amor dele. Ele é o bastante! Perceba em Cristo, com a ajuda do Espírito Santo, a largura, o comprimento, a altura e a profundidade do amor de Deus. Conheça este amor e que plenamente satisfeito com ele.
  5. Viva para servir e não para ser servido. Aprenda a sair de si, a ir até o próximo, a fazer um gesto simples de acolhimento. Abra mão do seu plano individualista e procure manifestar interesse pelo outro. Se chamado, vá até outros povos para testemunhar o amor de Deus. Estude a fim de se preparar para a obra do Senhor. Trabalhe para suprir as necessidades de quem precisa. Sirvamos de forma simples e exclusivamente a Jesus.

Jony de Almeida

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Por uma UPA que persevera

DSC_0653

O livro de Atos dos Apóstolos fala sobre o início da Igreja, como os apóstolos e discípulos reagiram após a ascensão aos céus de Jesus e a vinda do Espírito Santo. Logo no início da Igreja, após a pregação de Pedro para uma multidão na festa de Pentecostes (uma festa dos judeus), realizada em Jerusalém, 3000 (isso mesmo, 3 mil) pessoas foram convencidas de que Jesus era o Messias que as Escrituras anunciavam. Essa galera virou seguidora de Jesus, assim como os demais discípulos.

A Igreja que era composta inicialmente por um pouco mais de 3 mil crentes em Jesus, foi descrita pela primeira vez da seguinte forma:
“Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações. Todos estavam cheios de temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos. Todos os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos.”

Essa descrição de como os discípulos viviam nos leva a refletir sobre os atributos desejáveis/importantes para a Igreja. Através do texto podemos pensar sobre o que Deus deseja para a nossa comunidade, e por que não para a UPA também?

Vejamos algumas coisas para sonharmos juntos com o nosso grupo de adolescentes esse ano:
1)    Perseverar na doutrina dos apóstolos é algo essencial e inegociável para se viver bem (uma vida cristã saudável). A doutrina dos apóstolos refere-se tanto ao cânon do Antigo Testamento quanto do Novo Testamento, ou seja, a Bíblia que há quase 2000 anos permanece atravessando todos os momentos da história como a revelação de Deus para a humanidade, a voz de Deus, inspirada, infalível e inerrante. Isso significa que ser verdadeiramente cristão é relacionar-se com a Bíblia diariamente, e deixar que ela oriente a nossa forma de olhar para o mundo (cosmovisão).

Na primeira reunião da diretoria da UPA esse ano, a galera falou sobre a importância de um animar o outro a ler a Bíblia, que não seja prática de apenas alguns adolescentes, mas da turma toda. Já imaginou o que pode acontecer conosco se todos se comprometerem em ler as Escrituras diariamente?

2)    Perseverar na comunhão é outra coisa que fortalece a nossa identidade sobre quem somos e para onde estamos caminhando. A comunhão também está relacionada à qualidade da nossa vida, fazer amizades e caminhar junto com a turma que tem valores e uma missão em comum – a vocação de ser santo e luz no mundo.

Hoje a sociedade fala muito em combater os preconceitos, respeitar o próximo, mas o cristianismo já falava disso muito antes, a mais de dois mil anos o Evangelho insiste que tanto homem quanto mulher, tanto preto quanto branco, tanto rico quanto pobre, tanto erudito quanto analfabeto, tanto brasileiro quanto judeu, todos são iguais diante de Deus. O cristianismo devolve ao homem a dignidade que lhe foi roubada pelo pecado, e estimula a acolher e amar todo aquele que está ao nosso redor, seja ele simpático ou não a nós, haja empatia ou apatia, somos convocados a caminhar juntos e nunca sozinhos ou nos nossos guetos.

A UPA é um espaço para isso, para acolher, servir e amar. Os novos grupos de discipulado será uma oportunidade para isso, um ambiente para ser corajoso e colocar em prática tudo o que Jesus ensinou. Nós só temos a ganhar com isso, a enxergar a beleza e o carinho naquele que estava longe e se aproximou.

3)    Perseverar nas orações é dizer que confiamos em Deus, mesmo quando não vemos àquilo que esperamos. A confiança é algo que a gente desenvolve na comunhão com o próprio Deus. E esse é um dos grandes presentes que Jesus conquistou para nós, livre acesso ao Criador. Hoje não precisamos mais de sacerdotes e templos para se aproximar de Deus, podemos corajosamente nos dirigir a Ele por meio da obra de Jesus, por meio da qual nos assegura perdão e intercessão gratuita.

Porém isso não significa que não precisamos de mais ninguém, nem da igreja, e muito menos que Deus é o gênio da lâmpada que concede a todos os nossos caprichos. Atenção! Inveja amarga e ambição egoísta não têm nada haver com a fé cristã e precisamos limpar o nosso coração desses desejos ruins.

A oração é um instrumento poderoso para se arrepender, ser moldado por Deus e depositar diante dEle todas as nossas carências de recursos para se viver bem, sejam elas espirituais, emocionais, físicas, materiais, e assim por diante. Que a UPA seja um espaço para encorajamento e aprendizado dessa disciplina espiritual.

Perseverar nos ensinos da Bíblia, na comunhão da galera da UPA (irmãos) e nas orações, com certeza irá fazer da UPA um lugar especial, um lugar de alegria, no qual encontramos paz com Deus e com o colega ao lado, aonde exercitamos a misericórdia com aqueles que sofrem e padecem necessidade e também local de louvor a Deus porque Ele é bom.

Por fim galera, uma UPA perseverante na fé cristã, com toda certeza irá cair na graça e simpatia daqueles que estão de fora, seja a turma da Rebusca, da casa de acolhimento, do colégio, de Dores do Turvo, de Nova Friburgo e aonde mais o Senhor nos levar. E por que não, ainda iremos receber novatos na fé, novos amigos de caminhada, todos aqueles que o Senhor acrescentará na UPA.

Obreiro dos adolescentes da UPA IPV

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012