segunda-feira, 30 de maio de 2011

N. T. Wright responde a Stephen Hawking

As perguntas sobre o “céu” ou sobre a ressurreição, entre cristãos e até entre cientistas, não parecem muito diferentes. A imagem de pessoas assentadas sobre as nuvens tocando harpas, depois da morte, é recorrente. E, quem diria, o cientista inglês Stephen Hawking também tem a sua opinião sobre o “céu”. É sobre isso que escreve N. T. Wright, um dos mais conhecidos e respeitados pensadores protestantes da atualidade.

Para ler mais sobre o assunto, acesse Surpreendido Pela Esperança, de N. T. Wright. A editora Ultimato também publicou Simplesmente Cristão e O Mal e a Justiça de Deus, do mesmo autor.

A seguir o artigo publicado na última quarta-feira pelo Washington Post:

O que Stephen Hawking não entende sobre o céu
Tradução: Paula Mendes

É triste ver Stephen Hawking, uma das mais brilhantes mentes em sua área, tentando falar como um especialista sobre coisas que, infelizmente, ele parece conhecer menos do que um cristão de inteligência comum. É claro que há pessoas que pensam em “céu” como um tipo de parque da felicidade após a morte, no intuito de tornar a ideia de morrer menos assustadora. Não há dúvidas de que o problema é mais antigo do que a raça humana. Porém, na Bíblia, “céu” não é o lugar para onde as pessoas vão quando morrem. Na Bíblia o céu é o espaço de Deus, enquanto a terra (ou, se preferir, “o cosmos” ou “a criação”) é o nosso espaço. E a Bíblia deixa claro que os dois se sobrepõem e se interligam. Para os judeus antigos, o lugar onde isso acontecia era o templo; para os cristãos, esse lugar é o próprio Jesus e, de forma espantosa, os próprios cristãos, pois eles também são “templos” do próprio espírito de Deus.

Hawking trabalha com uma visão bastante limitada e extra-bíblica quando se trata de “ir para o céu”. É claro que, se fosse confrontado com as duas visões totalmente cristãs do que acontece depois da morte – primeiro, um tempo “com Cristo” no “céu” ou “paraíso”, e então, quando Deus renovar toda a criação, a ressurreição corporal – sem dúvida ele iria repudiá-las como inacreditáveis. Porém, duvido que ele tenha parado para observar de forma honesta, com seu super-intelecto, a evidência de Jesus e da ressurreição. Eu duvido – a maioria das pessoas não faz isso. Até que ele o faça, sua opinião sobre esse assunto vale o mesmo que a minha sobre física nuclear, ou seja, não muito.

Sobre a criação se autoformando: pergunto-me se ele percebe que está simplesmente repetindo uma versão do antigo epicurismo. Isto é, os deuses estão fora de cena, totalmente distantes; assim, o mundo/seres humanos/etc., precisa andar com suas próprias pernas. Dificilmente se trata de uma “conclusão” de seu estudo das evidências; é simplesmente uma conhecida cosmovisão compartilhada por muitos ocidentais pós-iluministas. É a cosmovisão que permite que a democracia secular se considere absoluta, independente de suas numerosas e óbvias falhas atuais. O frustrante é que Hawking parece não perceber isso e nem mesmo parar para pensar que podem existir críticas bastante elaboradas ao epicurismo, antigo e moderno, as quais ele deveria examinar. Principalmente a cristã, que novamente focaliza Jesus.

É claro que o antigo contexto em que se trava o debate “ciência e religião” foi profundamente influenciado pela mesma cosmovisão, e precisa de reparos. De fato, os cristãos antigos se chocariam ao ver sua cosmovisão rotulada como “religião”. Era uma filosofia, uma política, uma cultura, uma vocação... a categoria “religião” é parte do problema, não da solução.

Publicado originalmente por Ultimato

sábado, 28 de maio de 2011

Jesus oferece o dom gratuito


Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor. Romanos 6:23

Os pobres não tem dinheiro para comprar a salvação. Os ricos têm. No entanto, as duas classes sociais estão com o mesmo problema, pois a salvação não pode ser adquirida com dinheiro. A salvação foi comprada por Jesus - não por valores perecíveis como o ouro ou a prata, mas pelo seu precioso sangue (1 Pedro 1:18). Depois de adquiri-la, o próprio Senhor a distribuiu, por sua maravilhosa e gloriosa graça, a todos que descobrem que precisam dela (Efésios 1:6). Deus já havia anunciado esse presente por intermédio do profeta: "Vocês que não possuem dinheiro algum, venham, comprem vinho e leite sem dinheiro e sem custo" (Isaías 55:1).

Quem mais insiste no assunto é Paulo. Ele é o profeta e o teólogo da gratuidade da salvação. O apóstolo diz que fomos justificados gratuitamente (Romanos 3:24), que a nova vida nos foi dada gratuitamente (1 Coríntios 2:12), que a herança prometida a Abraão e a nós foi concedida gratuitamente (Gálatas 3:18) e que a graça foi dispensada "gratuitamente no Amado" (Efésios 1:6). Duas vezes menciona a salvação como "o dom gratuito" (Romanos 5:15; 6:23) - uma aparente redundância semelhante ao paradoxo de Isaías quando fala de "comprar de graça"!

Fui a Jesus e "comprei" sem dinheiro leite e vinho - tudo de graça!

Elben César, extraído do devocionário Refeições Diárias com Jesus, editora Ultimato.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

TIFS para ABS

Se você é da ABS ou quer saber como funciona o movimento, venha ao nosso Treinamento Intensivo de Final de Semana neste sábado (28/05) às 16hs na IPV (sala da UPA)! Teremos uma conversa sobre quem somos nós e um treinamento com o Philip sobre EBI (Estudo Bíblico Indutivo).
James Andrew

terça-feira, 24 de maio de 2011

Curso de Origami



Pessoal, entre os dias 24 e 26 de Maio vai acontecer um curso de Origami (dobradura em papel) no Centro Experimental de Artes da Prefeitura Municipal de Viçosa (o mesmo local aonde ocorreu o último Embaubar). O curso será a partir das 19hs e para as inscrições basta levar 2 quilos de alimentos não-perecível.

Informações pelo telefone: 3891-6674
Endereço: Rua Gomes Barbosa, 658.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Faz sentido?


Disse Jesus: O ladrão vem apenas para furtar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Será que sou hedonista?

De acordo com *Rojas (1996), o hedonismo é regido pelo comportamento em que busca-se o prazer acima de tudo e a qualquer preço, além da busca progressiva pelo bem-estar.

O ser humano hedonista, pautado na filosofia relativista, tem pela frente “um prognóstico ruim” e sua paisagem interior se manifesta por frieza, neutralidade sem compromisso, curiosidade e tolerância ilimitada. Já que não demonstra preocupação com a justiça, problemas sociais, temas existencialistas e temas do pensamento, a pessoa hedonista vive na condição de objeto manipulado, dirigido e tiranizado por estímulos fascinantes, que nem a gratificam, nem a fazem feliz.

Esse pensamento de Rojas pode ser digerido a luz das Escrituras, sobre as palavras de Tiago, vejam:

De onde vêm as guerras e contendas que há entre vocês? Não vêm das paixões que guerreiam dentro de vocês?
Vocês cobiçam coisas, e não as têm; matam e invejam, mas não conseguem obter o que desejam. Vocês vivem a lutar e a fazer guerras. Não têm, porque não pedem.
Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.
Adúlteros, vocês não sabem que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Quem quer ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus.
Ou vocês acham que é sem razão que a Escritura diz que o Espírito que ele fez habitar em nós tem fortes ciúmes?
Mas ele nos concede graça maior. Por isso diz a Escritura: "Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes".
Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao diabo, e ele fugirá de vocês.
Aproximem-se de Deus, e ele se aproximará de vocês! Pecadores, limpem as mãos, e vocês, que têm a mente dividida, purifiquem o coração.
Entristeçam-se, lamentem e chorem. Troquem o riso por lamento e a alegria por tristeza.
Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará.
Tiago 4:1-10

*Extraído do livro - ROJAS, E. O homem pós-moderno: a luta contra o vazio. São Paulo:
Mandarim, 1996.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

East to West - Casting Crowns

Sugestão do Estevão, Casting Crowns.



Letra da música East To West

Here I am, Lord, and I'm drowning in your sea of forgetfulness
The chains of yesterday surround me
I yearn for peace and rest
I don't want to end up where You found me
And it echoes in my mind, keeps me awake tonight
I know You've cast my sin as far as the east is from the west
And I stand before You now as though I've never sinned
But today I feel like I'm just one mistake away from You leaving me this way

Jesus can You show me just how far the east is from the west
'Cause I can't bear to see the man I've been come rising up in me again
In the arms of Your mercy I find rest
'Cause You know just how far the east is from the west
From one scarred hand to the other

I start the day, the war begins, endless reminding of my sin
Time and time again Your truth is drowned out by the storm I'm in
Today I feel like I'm just one mistake away from You leaving me this way

I know You've washed me white, turned my darkness into light
I need Your peace to get me through
get me through this night
I can't live by what I feel, but by the truth Your word reveals
I'm not holding on to You, but You're holding on to me
You're holding on to me

Just how far, east is from the west
Just how far, one scarred hand to the other
You know just how far, just how far east is from west
Just how far, from one scarred hand to the other

Para conhecer a banda, acesse o site oficial: Casting Crowns

quarta-feira, 18 de maio de 2011

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Refinando a prata


Havia um grupo de mulheres num estudo bíblico do livro de Malaquias. Quando elas estavam estudando o capítulo 3, elas se depararam com o versículo 3 que diz: "Ele assentar-se-á como fundidor e purificador de prata (v.3)"...

Este verso intrigou as mulheres e elas se perguntaram o que esta afirmação significava quanto ao caráter e natureza de Deus. Uma das mulheres se ofereceu para tentar descobrir como se realizava o processo de refinamento da prata e voltar para contar ao grupo na próxima reunião do estudo bíblico.

Naquela semana esta mulher ligou para um ourives e marcou um horário com ele para assisti-lo em seu trabalho. Ela não mencionou a razão de seu interesse na prata nada além do que sua curiosidade sobre o processo de refinamento da prata. Enquanto ela o observava, ele mantinha um pedaço de prata sobre o fogo e deixava-o aquecer. Ele explicou que no refinamento da prata devia-se manter a prata no meio do fogo onde as chamas eram mais quentes de forma a queimar todas as impurezas. A mulher pensou em Deus mantendo-nos num lugar tão quente, depois ela pensou sobre o verso novamente, que "ele se assenta como um fundidor e purificador da prata". Ela perguntou ao ourives se era verdade que ele tinha que se sentar em frente ao fogo o tempo todo que a prata estivesse sendo refinada. O homem respondeu que sim, ele não apenas tinha que sentar-se lá segurando a prata, mas também tinha que manter seus olhos na prata tempo inteiro que ela estivesse no fogo. Se a prata fosse deixada,apenas por um momento, em demasia nas chamas ela seria destruída. A mulher silenciou por um instante. Depois ela perguntou: "Como você sabe quando a prata está completamente refinada?" Ele sorriu e respondeu: "Oh, é fácil! Quando eu vejo a minha imagem nela".

Autor desconhecido

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Program de rádio do C. S. Lewis

Os Grupos de Discipulado da UPA estão estudando  neste ano o livro Cristianismo puro e Simples, do autor C. S. Lewis. Nada mais oportuno que este programa de rádio do Lewis, que mais tarde deu origem ao livro em questão.

Durante os anos de guerra, Lewis gravou uma serie de programas de rádio para a Nação. Tristemente, por causa do esforço da guerra, foram reciclados a maioria dos carretéis auditivos. E o mundo perdeu um capítulo da herança de um homem para sempre.

Mas um sobreviveu. E eu tenho esta gravação aqui compilada para você como o próprio Lewis falou há muito tempo.



Tradução: Murillo
Legendas: Victtorhugo
Musica: C.S Lewis Song - Brooke Fraser

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Quem estiver mais forte vence


Por isso digo: vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne. Pois a carne deseja o que é contrário ao Espírito; e o Espírito, o que é contrário à carne. Eles estão em conflito um com o outro, de modo que vocês não fazem o que desejam.
Um velho índio descreveu certa vez seus conflitos internos:
"Dentro de mim existem dois cachorros: um deles é cruel e mau; o outro é muito bom. Os dois estão sempre brigando."
Quando então lhe perguntaram qual dos dois cachorros ganharia a briga, o sábio índio parou, refletiu e respondeu:
"Aquele que eu alimento."

segunda-feira, 9 de maio de 2011

A força do sonho

Ryan Hreljac nasceu no Ontário, no Canadá, em 1991. Quando tinha 6 anos, uma conversa com a professora da escola primária mudou-lhe a vida. Ela falou na aula das pessoas pobres de África. Contou, entre outras coisas, como elas passam por grandes dificuldades para disporem de água potável e terem acesso a poços. Acrescentou ainda a professora que, sem água potável, as pessoas, e especialmente as crianças, podem ficar doentes e, até, morrer.

Ryan Hreljac, apesar de ter 6 anos e muita vontade de brincar, naquele dia ia a caminho de casa a pensar. Passava em frente de um fontanário em que a água estava horas e horas, sem parar, a correr. E, lá na África, as crianças da sua idade tinham de andar quilómetros e quilômetros, durante horas, para levar uns cinco litros de água para casa.

Foi ter com a mãe e disse-lhe: ­ Mãe, quero comprar um poço de água para as crianças de África. A professora disse que custava 70 dólares.

Mas a mãe não lhe deu o dinheiro sem mais. Combinou com o filho que ele fazia algumas tarefas em casa e que receberia por isso.

Quando juntou os 70 dólares, Ryan foi com a mãe à sede da WaterCan, uma ONG que perfura poços em África.

Ao ser atendido, ele recebeu uma novidade que podia tê-lo assustado: abrir um poço não custava 70 dólares, mas dois mil dólares.

E a mãe também lhe disse: ­ Filho, não posso dar-te todo esse dinheiro, nem que limpasses a casa toda a vida.

Mas o pequeno Ryan não se rendeu. E prometeu ao senhor que os atendia: ­ Vou voltar!

Ryan Hreljac animou os irmãos, vizinhos e amigos a trabalhar como ele. Com horas de trabalho e venda de produtos, entre todos, conseguiram juntar 700 dólares. E Ryan foi ter com a WaterCan triunfal. E a ONG canadense comprometeu-se a juntar o que faltava.

Em 1999, a WaterCan abriu o poço financiado por Ryan Hreljac, os seus irmãos, vizinhos e amigos, numa aldeia do Norte do Uganda. A água começou a jorrar perto da escola primária de Angolo.

Nesse mesmo ano, Ryan Hreljac criou a fundação Ryan’s Well (o Poço de Ryan). Desde então já permitiu a mais de quinhentas mil pessoas terem acesso a água potável.

Agora com 19 anos, Ryan continua a recolher fundos e a viajar por todo o mundo solicitando apoios. Ele diz que, a partir o momento em que começou a fazer algo pelas crianças de África, entendeu a razão de ter nascido:

Esta experiência ajudou-me muito. Aprendi que somos todos iguais. Aprendi que as crianças precisam de certas coisas para viverem com saúde e felizes, independentemente do lugar onde vivem. Precisam de alimentos suficientes para comer e de água para sobreviver. Precisam de ter condições para ir às aulas e oportunidades para brincar e divertir-se. Robustos e bem preparados, também eles poderão ajudar a Humanidade inteira.

E, de facto, foi o que aconteceu com os alunos e restante pessoal da escola primária de Angolo, no Uganda. Decidiram que também eles podiam partilhar algo. E, voluntariamente, durante cinco dias, no horário pós-escolar, vão ajudar os idosos e os doentes com AIDS.

Há crianças que lhe perguntam o que podem partilhar, se têm apenas o mínimo. E Ryan responde com a sabedoria que aprendeu da atitude da mãe quando ele tinha 6 anos:

Dá apenas um pedacinho. Pensa no que tens, no que queres e naquilo de que precisas realmente… e terás a resposta.

História de Ryan, um garoto canadense. O link da sua fundação é: http://www.ryanswell.ca
A fundação que ele dirige (aos 19 anos) já ajudou a construir 667 ços e 715 fossas sanitárias, atingindo assim mais de 700 mil pessoas.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Vídeo incrível sobre a chegada da Bíblia na tribo Kimyal



Tribo Kimyal festejando com a chegada da Bíblia traduzida na língua deles. Tradução feita pela missionária Rosa Kidd através de um plano de Deus colocado em seu coração. Através de muitas duvidas sobre o plano de Deus e 15 anos de trabalho aprendendo a língua, a tradução se completou em marco de 2010.

Kimyal se encontra em Korupun, no oeste de Papua, a tribo tem mais ou menos 4 mil habitantes onde 98%(3.920 pessoas) falam apenas a língua nativa de Kimyal.

Enquanto muitos países rejeitam a palavra de Deus, não crêem, fazem piadas, e ridicularizam as historias da Bíblia em TV aberta, Deus leva a Sua palavra para aqueles que humildemente a recebem.

Assim como Jesus disse:

Porque, se vós crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim escreveu ele.
Mas, se não credes nos seus escritos, como crereis nas minhas palavras?
(João 5:46-47)

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Rezar por outras pessoas ajuda a sentir menos raiva

Estudos apontam que oferecer uma prece para alguém mais necessitado ajuda a acalmar quem acabou de ser ofendido

Se você acabou de sofrer alguma agressão verbal, ofereça uma prece para quem precisa mais de ajuda, por exemplo, um doente.

Fazer uma prece para alguém desconhecido pode ajudar a controlar emoções negativas das pessoas depois de serem insultadas por estranhos, afirmam pesquisadores.

Uma série de estudos descobriu que depois de uma pessoa ser intencionalmente provocada a ter raiva, ela se acalmará mais rapidamente quando lhe for pedido que reze (ou ore) por alguém que precisa de ajuda ou apoio (um paciente com câncer, por exemplo).

Os pesquisadores também acreditam que o método é eficaz mesmo entre pessoas que não são muito religiosas ou que vão regularmente à igreja. Os estudos também mostraram que a religião a que a pessoa pertence não parece fazer diferença na habilidade de rezar para se acalmar. É preciso ressaltar que quase todos os participantes se identificaram como católicos, de acordo com o estudo publicado pelo periódico Personality and Social Psychology Bulletin.

“Pessoas normalmente recorrem a preces quando elas estão sentindo emoções negativas, inclusive a raiva”, afirma o co-autor do estudo, Brad Bushman, professor de comunicação e psicologia na Ohio State University. “Nós observamos que rezar realmente pode ajudar as pessoas a lidar com sua raiva de uma maneira diferente. Provavelmente as preces ajudam a não levar as ofensas tão a sério.
Sugerido por PavaBlog
Publicado originalmente no iG

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Cuidar da alma


O exercício físico é de pouco proveito; a piedade, porém, para tudo é proveitosa, porque tem promessa da vida presente e da futura.
I Timóteo 4:8