sexta-feira, 29 de abril de 2011

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Programação especial para o dia das mães


Dia da família (07/05) – neste sábado que antecede o dia das mães, a UPA irá participar do passa dia promovido pelo presbitério em Ubá. O encontro será num sítio, teremos uma mensagem do Rev Elben para toda a família e um momento gostoso de comunhão. Reúna seus pais e irmãos e venha participar conosco.

Atenção! Não teremos programação da UPA neste dia à noite, porque queremos incentivar todos a participar conosco deste passa dia. O custo do evento será R$10,00 por pessoa com todas as refeições incluídas! Quem se interessar em participar favor fazer a inscrição com o Pr Angelo ou o Pedro Paulo.

Nós precisamos confirmar as inscrições até o dia 1º de Maio para que o Angelo possa programar as compras!

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Palavras podem machucar

Pare e pense!

Há palavras que ferem como espada, mas a língua dos sábios traz a cura.
Provérbios 12:18

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Homofobia, um esclarecimento necessário

A palavra homofobia está na moda. No mundo inteiro discute-se a questão do homossexualismo. Em alguns países já se aprovou a lei do casamento gay. Aqui no Brasil, tramita no congresso um projeto de lei (PL 122/2006), que visa a criminalização daqueles que se posicionarem contra a prática homossexual. O assunto que estava adormecido, em virtude de firme posição evangélica contra o referido projeto de lei, mormente na efervescência da campanha política de 2010, ganhou novo fôlego com a nova proposta da senadora Marta Suplicy (PT-SP), que pleiteia a reclusão de cinco anos, em regime fechado, para quem se posicionar publicamente contra o homossexualismo. Diante desse fato, quero propor algumas reflexões:

Em primeiro lugar, esse projeto de lei fere o mais sagrado dos direitos, que é a liberdade de consciência. Que os homossexuais têm direito garantido por lei de adotarem para si o estilo de vida que quiserem e fazer suas escolhas sexuais, ninguém questiona. O que não é cabível é nos obrigar, por força de lei, concordar com essa prática. Se os homossexuais têm liberdade de fazer suas escolhas, os heterossexuais têm o sagrado direito de pensar diferente, de serem diferentes e de expressarem livremente o seu posicionamento.

Em segundo lugar, esse projeto de lei cria uma classe privilegiada distinta das demais. O respeito ao foro íntimo e à liberdade de consciência é a base de uma sociedade justa enquanto a liberdade de expressão é a base da democracia. Não podemos amordaçar um povo sem produzir um regime totalitário, truculento e opressor. Não podemos impor um comportamento goela abaixo de uma nação nem ameaçar com os rigores da lei aqueles que pensam diferente. Nesse país se fala mal dos políticos, dos empresários, dos trabalhadores, dos religiosos, dos homens e das mulheres e só se criminaliza aqueles que discordam da prática homossexual? Onde está a igualdade de direitos? Onde está o sagrado direito da liberdade de consciência? Onde o preceito da justiça?

Em terceiro lugar, esse projeto de lei degrada os valores morais que devem reger a sociedade. O que estamos assistindo é uma inversão de valores. A questão vigente não é a tolerância ao homossexualismo, mas uma promoção dessa prática. Querem nos convencer de que a prática homossexual deve ser ensinada e adotada como uma opção sexual legítima e moralmente aceitável. Os meios de comunicação, influenciados pelos formadores de opinião dessa vertente, induzem as crianças e adolescentes a se renderem a esse estilo de vida, que diga de passagem, está na contramão dos castiços valores morais, que sempre regeram a família e a sociedade. O homossexualismo não é apenas uma prática condenada pelos preceitos de Deus, mas, também, é o fundo do poço da degradação moral de um povo (Rm 1.18-32).

Em quarto lugar, esse projeto de lei avilta os valores morais que devem reger a família. Deus criou o homem e a mulher (Gn 1.27). Ninguém nasce homossexual. Essa é uma prática aprendida que decorre de uma educação distorcida, de um abuso sofrido ou de uma escolha errada. Assim como ninguém nasce adúltero, de igual forma, ninguém nasce homossexual. Essa é uma escolha deliberada, que se transforma num hábito arraigado e num vício avassalador. Deus instituiu o casamento como uma união legal, legítima e santa entre um homem e uma mulher (Gn 2.24). A relação homossexual é vista na Palavra de Deus como abominação para o Senhor (Lv 18.22). A união homossexual é vista como um erro, uma torpeza, uma paixão infame, algo contrário à natureza (Rm 1.24-28). A Palavra de Deus diz que os homossexuais não herdarão o reino de Deus, a não ser que se arrependam dessa prática (1Co 6.9,10). Porém, aqueles que se convertem a Cristo e são santificados pelo Espírito Santo recebem uma nova mente, uma nova vida e o completo perdão divino (1Co 6.11).

Por Hernades Dias Lopes
Publicado Originalmente em Palavra da Verdade

quarta-feira, 20 de abril de 2011

SEMANA DA PÁSCOA

Nesta semana, vamos comemorar a páscoa juntos com todas igrejas, congregações e pontos de pregação presbiterianos de Viçosa, com o seguinte programa:

Cultos de Páscoa, 19h30

Dia: quinta-feira, 21 de Abril
Local: Igreja Presbiteriana do Vale do Sol
Tema: O Getsêmani – pregador: Daison Silva

Dia: sexta-feira, 22 de Abril
Local: Igreja Presbiteriana Viçosa
Tema: A Morte – pregador: Geraldo Márcio

Dia: sábado, 23 de Abril
Local: Comunidade Presbiteriana de Viçosa
Tema: O Silêncio – pregador: Elben César

Alvorada da Ressurreição, 9 às 11h
Dia: domingo, 24 de Abril
Local: Recanto das Cigarras da UFV
Culto e Ceia (9 às 10h): Tema: A ressurreição – pregador: Ângelo Andrade
Escola Dominical (10 às 11h) – Divisão em grupos (crianças, adolescentes, jovens e adultos)

Espero sua participação,
Pastor Jony

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Paráfrase de 1 Coríntios 13

Se eu aprender inglês, francês, alemão, espanhol e chinês e dezenas de outros idiomas, mas não souber me comunicar com pessoas, de nada valem todas as minhas palavras.

Se eu concluir um curso superior, andar de anel no dedo e frequentar cursos e mais cursos de atualização, mas viver distante dos problemas do povo, minha cultura não passa de uma inútil erudição.

Se eu morar no Nordeste, mas desconhecer os sofrimentos de minha região e fugir para férias no Sul e até na América e na Europa, e nada fizer pela promoção do homem, não sou cristão.

Se eu passar o fim de semana em festas, boates, farras e programas, sem ver a fome, o desemprego, o analfabetismo e a dença, sem escutar o grito abafado do povo que se arrasta à margem da História, para nada sirvo.

O cristão não fica de braços cruzados, de boca fechada, de cabeça vazia, não tolera a injustiça nem as desigualdades gritantes do nosso mundo: - luta pela verdade, pela justiça, com armas de amor. O cristão não desanima, nem desespera diante das derrotas e das dificuldades, porque sabe a única coisa que vai sobrar de tudo isso, é o AMOR!"

Atualizado por Dom Helder Câmara, arcebisto emérito de Olinda e Recife

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Conversa Acústica - neste sábado!

Todos estamos MAIS que convidados! Para conhecer a obra de Gladir Cabral, clique e viage. Chamem geral para aparecer lá na igreja (IPV) =)

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Adolescentes têm o hábito de mentir online e dizem preferir sua “vida virtual”

Uma pesquisa divulgada na Inglaterra comprova o que muitos já desconfiavam. Os adolescentes preferem a vida virtual, aquela que construíram atrás do monitor, a seu dia a dia no mundo real. O relatório encomendado pela organização Kidscape, que se dedica a prevenir crimes contra a infância na internet, recebeu o nome de Virtual Lives: It is more than a game, it is your life [Vidas virtuais: é mais do que um jogo, é a sua vida].

Uma das conclusões que mais chamou atenção é que 45% dos 2,3 mil adolescentes britânicos (entre 11 e 18 anos) entrevistados eram mais felizes com sua vida online. Na conversa com os pesquisadores, um dos jovens declarou : “É mais fácil ser quem você quer ser, porque ninguém nos conhece de verdade. Se você não gosta de uma situação, pode simplesmente desligar o computador e acabou.” Outro disse: “Você pode dizer qualquer coisa online. Pode conversar com pessoas que normalmente não conversaria e pode editar suas fotos para ficar com uma aparência melhor. É como se você fosse uma pessoa completamente diferente.” Alguns adolescente admitiram que o único lugar onde se sentia confortável para admitir sua homossexualidade, eram os fóruns anônimos da internet.

A pesquisa mostra que 47% admite se comportar de maneira diferente quando está online, sentindo-se mais poderosos e confiantes. O psicoterapeuta Peter Bradley, que também é vice-diretor do Kidscape, disse que o desejo de tantos jovens em adotar uma identidade diferente na web era motivo de preocupação, pois com isso acabam se divorciando da realidade.

Um em cada oito, ou 12,5%, declararam já ter mentido sobre seus dados pessoais na internet. Destes, 60% mentiu sobre sua idade ao falar com desconhecidos online, enquanto 40% mentiu sobre seus relacionamentos pessoais.

Cerca de 10% dos entrevistados disseram que mudaram aspectos de sua aparência e sua personalidade para a sua atividade online. Bradley alerta que os adolescentes hoje correm sérios riscos ao se expor a esses encontros virtuais e colocam também seus amigos em perigo. Ele entende que: “Os resultados sugerem que os adolescentes vêem o ciberespaço como algo distinto do mundo real, um lugar onde podem explorar aspectos de seu comportamento e personalidade que possivelmente não iriam mostrar na vida real. Não podemos permitir que eles acreditem que o cibermundo é um lugar mais feliz que nossas comunidades reais. Caso contrário, estamos criando uma geração de jovens que não se encaixam adequadamente em nossa sociedade. “

Há de se levar em conta que 7% dos adolescentes admitiram que nunca falam toda a verdade a seus pais sobre o que fazem na internet, enquanto 83% admitem que já se comportaram de maneira agressiva rude ou imprópria, sendo que a proporção de garotos foi expressivamente maior.

“Estamos assustados com os riscos assumidos pelos adolescentes no ambiente online”, disse ele. “Eles não têm capacidade para entender o que essas atividades podem ter repercussão na sua vida real”, destaca Bradley. “Estamos criando uma geração de pessoas que não estão adaptadas à nossa sociedade.”

Fonte: Daily Mail
Tradução: Jarbas Aragão no Pavablog

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Realengo - Da Dor à Esperança

De forma devastadora ficamos sabendo da tragédia que se abateu sobre Realengo, (bairro onde fui criado no RJ), sobre o Brasil e sobre o mundo.

Uma escola municipal,(semelhante a que estudei quando lá fui criança), teve parte de seu alunos massacrados e os restante da comunidade escolar marcada para sempre pelo trauma dessa barbárie.

Não há como não chorar vendo ou ouvindo as notícias, crianças de 9 a 14 anos foram fria e impiedosamente mortas e algumas, talvez fiquem paraplégicas. Escrevo com lágrimas estas linhas.

Mais uma vez o Brasil imita outras nações em algo trágico, um louco serial killer, com uma história de uma personalidade mau resolvida, onde o mau encontrou terreno fértil para plantar raízes fortes e o diabo se fez de inspirador, uma personalidade adoecida com traços de alguma influencia de uma religiosidade distorcida,que absorvia nos lixos da internet seus temas de loucura e de pecado.

Crianças inocentes atingidas no lugar de sonhos, onde pensavam ser e construir um futuro brilhante, ali suas vidas foram ceifadas. Uma tragédia na plena expressão da palavra. Não a primeira e certamente e infelizmente não a última.

Em abril de 1999 nos EUA no país chamado de maior potencia mundial,uma outra escola, onde crianças semelhantes às nossas estudavam e sonhavam, alguns loucos como Welington, destruíram futuros e sonhos. Columbine também teve um dia marcada pela tragédia.

O que Realengo tem a ver com Columbine? Que conexão fazer? Algumas já são bem claras e de certo modo já citadas neste texto.

A conexão maior que quero lembrar nesta triste hora é que em meio à toda inominável dor e tristeza, um veio de esperança brotou em Columbine após a tragédia, oro para que Deus faça algo extraordinário em Realengo,como o fez em Columbine.

Em meio àquelas trevas de morte, a luz não foi extinta em Columbine, a luz não será extinta em Realengo.

Jesus nos disse que neste mundo pecaminoso as tragédias seriam uma possibilidade real em nossa trajetória passageira aqui, mas ele mesmo prometeu nunca nos abandonar em meio a elas. Ele se manifestou em Columbine, Ele há de se manifestar em Realengo e já tem se manifestado, pois, enquanto um foi o diabólico e louco assassino, muitos foram heróis nos auxílios e no resgate das vitimas, enquanto um foi o algoz, muitos choram a dor das perdas, enquanto um louco deu vazão a sua loucura e pecado atroz e auto destrutivo, muitos continuam a luta da vida enfrentando-a de frente com todas as suas vicissitudes e auto limitações. Isso também é graça de Deus manifesta em um mundo de pecados e pecadores.

Que a morte dessas crianças não seja em vão, que frutos dessa tragédia histórica sejam colhidos na forma de mudanças, reflexões, atitudes, decisões, atos, leis, cuidados, comportamentos, quebrantamentos, clamores, etc.

Que a memória delas não se apague jamais, que os sonhos delas sejam realizados por outras crianças, que em homenagem às vitimas de Realengo continuem a viver e serem felizes apesar de tudo e todos.

Que a mão misteriosa, graciosa e soberana de Deus se mantenha estendida sobre toda esta tragédia e seus sofredores, todos nós.

Que o consolo e o agir sobrenatural de Deus sejam manifestos e que em meio a este deserto de dor, flores ainda sejam colhidas, mesmo regadas com nossas lágrimas por Realengo.

Pr. Ednilson Correia de Abreu
Pastor da PIB em João Neiva –ES

quarta-feira, 6 de abril de 2011

MOISÉS EM LETRAS GRANDES


Se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus.
MATEUS 5.20
No púlpito da montanha, Jesus não vem aliviar ninguém da lei de Moisés ou dos escritos dos profetas. Na verdade, ele vem complicar as coisas. Em vez de suprimir, Jesus amplia o tamanho dos mandamentos (Mt 5.17-48)

Não matar é pouco, é preciso também não ter raiva, não humilhar e não xingar de idiota, seja quem for. De igual modo, é preciso fazer as pazes com todo e qualquer desafeto (Mt 5.21-26). Não adulterar corporalmente é pouco. É preciso também não cometer adultério mental, visual ou virtual, e não dissolver os laços matrimoniais (Mt 5.27-30).

Se na lei estava escrito “olho por olho, dente por dente” (Êx 21.24), agora o que vale é a não-retribuição. Quem recebe um tapa no rosto, não deve devolver o tapa, mas oferecer ao agressor o outro lado do rosto (Mt 5.38-42)

Se alguém tem um inimigo, não deve tratá-lo como inimigo, mas como amigo (Mt 5.43-44). Não tem nenhuma vantagem aquele que ama apenas o que ama.

Que Deus me mude por dentro e por fora!

Elben César, extraído do devocionário Refeições Diárias com Jesus, editora Ultimato.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Carta aberta ao Senhor da minha vida


Deus,

Desde que me entendo por gente, sempre considerei verdadeira a famosa máxima “crescer dói”. Fico feliz em discordar dela, pelo menos até esse ponto da minha vida, porque pra mim crescer sempre foi um grande prazer. Não posso afirmar que nunca houve maus momentos, mas também não posso dizer que tive uma infância traumática, uma pré-adolescência perdida, ou uma adolescência perturbada e rebelde. Minha infância, apesar de contaminada pela cultura urbanesca, foi muito bem brincada, gritada, subida, pulada, viajada, sonhada, fantasiada, suada, amada e cuidada. Meus hábitos foram mudando à medida que eu aprendia coisas novas e ficava mais independente. Minha adolescência foi o florescer da minha autoconsciência e o pontapé para a futura busca por meus interesses e pela realização de meus sonhos. Aprendi a pensar, estudar, refutar, digerir livros ao invés de engoli-los. Todas as transformações pelas quais passei foram, pela Sua graça, desenvolvidas num ritmo suave, sem solavancos e com muito poucas pedras no caminho.

E é por isso, pelo meu crescer, que escrevo esta carta aberta a Quem me colocou onde hoje me encontro; me fortaleceu para que aqui eu estivesse; me criou para que essa carta existisse e me deu tudo que tenho, inclusive a razão de viver.

Por onde começar, Deus? De onde tirar meus primeiros agradecimentos, sendo que são tantos, e tão mais infinitos aqueles que vêm pelos planos que ainda desconheço? Ora, comecemos então pelo começo... pelo menos o meu começo...

Agradeço pela minha eterna morada, a mim reservada desde que o Senhor contou meus dias e os escreveu no Seu livro. Sem dúvida é o maior presente que eu poderia ganhar e veio antes mesmo do ar que respirei pela primeira vez. E como eu não havia realizado nada ainda, não seria prepotente a ponto de me julgar merecedor de tal presente. Que bom que não tenho dúvidas quanto à incomprabilidade da salvação eterna.
Agradeço pela minha mãe, que foi a primeira casa em que morei. Agradeço o amor com que me criou, a disciplina com a qual me educou, as mãos que me alimentaram, cobriram, vestiram, limparam, bateram, consolaram. As ordens e broncas para o meu bem que precederam os sábios conselhos para o mesmo fim. Agradeço por essa irmã e amiga, minha companheira de atividades e de oração, minha discipuladora, minha melhor professora.

Agradeço pelo meu pai, molde com que tirei meu nariz de palhaço, minha virilidade, meu exemplo de trabalhador, de provedor, de um homem que zela pela família e que sempre fez tudo ao seu alcance para garantir o bem dela. Agradeço pela firmeza na liderança de nossa casa e pela equipe que somos com ele.

Agradeço pelos anjos em minha vida: Vovó Lili e Tia Fênix, que não só muito me bajularam, mas que sempre estiveram atentas a cada passo meu, dispostas a fazerem o possível e até o impossível para me verem feliz.

Agradeço pela minha família espalhada por esse país maravilhoso: São José dos Campos, Paraguaçu, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Salvador e pelos demais gatos pingados por aí afora.

Agradeço pela minha saúde, que sempre me permitiu fazer todo tipo de esporte, brincadeira e tantas outras coisas. Agradeço pelo meu corpo que, a não ser por alguns pequenos ajustes, está em perfeitas condições e muito me ajuda na tarefa de viver.

Agradeço pela minha mente, sã até onde eu sei, dá pro gasto nas humanas, sabe seu rumo nas biológicas e patina graciosamente desastrada nas exatas. Agradeço pelos presentes que são a música, as artes, a literatura e o mundo das idéias, meu playground cada vez mais freqüentado.

Agradeço pelos meus amigos: fonte inesgotável de alegrias, memórias, aprendizado, noites mal dormidas e dias impecavelmente aproveitados. Parceiros no combate ao tédio, à solidão, à depressão –pós-pé-na-bunda e a tudo quanto há de ruim.

Sou grato pela minha igreja em Goiânia, que me acolheu desde um pecador-mirim gorduchinho até hoje, me ensinando lições que vão além deste mundo, além desta vida. Mais grato ainda sou pela grande igreja invisível, meus irmãos na fé espalhados por todo o mundo, eternos companheiros, família não de sangue, mas por sangue.

Sou grato pelo IPÊ, colégio que me treinou pra vida, educação para Cristo que sem sombra de dúvida fez a diferença. Construiu muito do que sou, e é um abrigo no deserto educacional do mundo contemporâneo.

Sou grato por cada professor que tive, do maternal ao ensino médio, cada qual contribuindo para formar um pedacinho de mim. Agradeço a paciência prodigiosa e a energia gasta pra que me segurassem quando pequeno, a sabedoria e o tato que tiveram para tratar do reizinho que eu tinha na barriga quando menino, a mão firme e os princípios a mim passados para tratar o mesmo reizinho pré-adolescente ainda crescendo na minha barriga de moleque e o empenho altruísta dos meus professores de pré-vestibular que tanto me auxiliaram naquela fase cansativa, mas decisiva.

Obrigado pelas orações respondidas, mesmo por aquelas que não saíram como eu planejava. Que bom que não!

Obrigado pela Sua soberania e pela PAZ vinda de mãos dadas com ela, essa paz que ninguém mais poderia trazer.

Obrigado pela Sua proteção e força nos momentos difíceis. Obrigado pelos infinitos livramentos que eu nem cheguei a notar mas os quais eu tenho certeza que acontecem a cada instante.

Obrigado pela Sua palavra que nunca falhou em me guiar os passos.

Obrigado pelo Seu perdão que não tem tamanho.

Obrigado pela honra insondável que é ser chamado filho Seu, que é tão maior quanto mais eu vejo minha incapacidade de levar tão poderoso nome.

Obrigado pelas portas abertas até agora, valeu pelo voto de confiança. Obrigado pela oportunidade de honrar Seu nome na universidade. Sei que tenho muitos desafios a frente, mas não tenho medo, porque sei que Você está comigo.

E é por essa certeza e por tudo mais que o Senhor tem planejado pra mim, que digo este último OBRIGADO.

Abraços do filho mimado, Paulo Ricardo.


Carta em gratidão a Deus de um adolescente (18 anos) de Goiânia. Ele passou no vestibular da UNB para comunicação social/jornalismo.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Você escolhe quem vai ser



Hoje invoco os céus e a terra como testemunhas contra vocês, de que coloquei diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a maldição. Agora escolham a vida, para que vocês e os seus filhos vivam.
Deuteronômio 30:19

Para ver a lista de bênção e maldições, veja o capítulo 28 de Deuteronômio